sábado, Novembro 08, 2014

A caminho do Vietname e do Camboja


A ver se desta vez não fico sem os relatos da viagem como aconteceu com Marrocos!
E se não perco o passaporte como na Indonésia!
E se vou e volto inteirinha, que eu vou de mochila às costas e vou vir tão arrebentadinha oh pa! E TÃO FELIZ!!!
Até já!!


terça-feira, Novembro 04, 2014

Alice no País das Maravilhas

Tenho um colega de quem gosto muito, é um senhor já com 50 e muitos anos, foi militar e por isso é muito exigente e faz sempre tudo by the book, e normalmente não é muito sociável, ou melhor dito, não se dá a muitas confianças.
Um dia, a meio duma reunião em que estavamos os dois engalfinhados a discutir uma ideia, ele pergunta-me se já li a Alice no País das Maravilhas.
Sim, e não há muito tempo, achei o livro maravilhoso!
Pronto, e assim conquistei a simpatia dele, que acha que o Alice in Wonderland é um dos melhores livros de todos os tempos, e que se adapta sempre a todas (ou quase todas) as circunstâncias da vida.
Vai daí, meia volta solta uma pérola, e esta foi a última.
Depois de 300 mil emails trocados para resolver uma questão pendente há meses, e que só ficou resolvida agora quando eu finalmente consegui deitar as unhas à coisa. E quando pensava que estava tudo resolvido, houve mais um revés, e ele mandou-me o seguinte:

A quote to lift up your spirits....

“How puzzling all these changes are! I'm never sure what I'm going to be, from one minute to another.” 

or do you prefer this one....

"But I don’t want to go among mad people," Alice remarked.
"Oh, you can’t help that," said the Cat: "we’re all mad here. I’m mad. You’re mad."
"How do you know I’m mad?" said Alice.
"You must be," said the Cat, "or you wouldn’t have come here.” 

Eu escolhi a segunda, we are all mad :)

quinta-feira, Outubro 30, 2014

Pra nao ser injusta, o sol apareceu

Mas céu azul como o nosso.... Nahhh


E ao terceiro dia, fez-se luz!

NOT!!!

Mas eu hoje já me vou embora, por isso os ânimos alteram-se e finalmente vou deixar de estar cinzenta como o tempo.
Já andei de luvas e de gorro, já vesti 3 camadas de roupa, e já vi os meus amigos e matei saudades. Deles, decididamente não do clima.
Hoje já durmo em Braga, junto dos meus pequerruchos e amanhã vou levar os meus Pais a jantar fora porque fazem 43 anos de casados. E 43 anos devem ser celebrados a todo lo alto!
Parabéns Dona Ju e Sô João, casaram no dia das bruxas e elas abencoaram-vos!


terça-feira, Outubro 28, 2014

Ou isto, talvez resulte

Clima na Holanda

Quando as pessoas que querem emigrar pra Holanda me dizem que não têm problemas com o clima e que aguentam bem a chuva, digo sempre: vocês não sabem o que dizem! Não é a chuva! É que não se vê o céu durante dias! E como raramente compreendo o que quero dizer com isso, fica aqui uma amostra pra posteridade.
É isto, senhores:


segunda-feira, Outubro 27, 2014

Deixem de ser cobardes, por favor.

Não seja covarde. O seu futuro depende único e exclusivamente de você. Não adianta tentar culpar mais ninguém. O mundo não vai esperar as suas lágrimas secarem.  Chega de fragilizar-se. Você não precisa sair de casa sempre com a sua melhor roupa, mas vale muito à pena caprichar no sorriso. Não restam dúvidas: se a alegria é contagiante, a vida retribui. Tudo não passa de uma questão de escolha. Ou você fica o resto dos seus dias imaginando como tudo poderia ter sido, ou mete a cara, enfrenta os seus medos e constrói a sua realidade. Para mim a coisa toda é muito simples. Se a sua vida não está como gostaria e você não faz nada a respeito, então ela está exatamente como você merece.

Grande Rafa!!!

Coisas que me encanitam profundamente nos divórcios

- Irresponsável, negligente, não gosta da criança - mãe que dá a guarda dos filhos ao ex-marido.

- Está-se a cagar, quer é putas e vinho verde - mãe que tem guarda partilha com o marido, uma semana cada um, ou vários dias por semana, consoante a disponibilidade das partes, sem qualquer problema entre ambos.

- Sacrificada, uma verdadeira mãe - mãe que só permite ao marido ver os filhos aos fins de semana.

- Puta de merda, cabra - mãe que não deixa o marido ver os filhos, nem com ordem do tribunal, e exerce alienação parental.

Isto é o que eu oiço todos os dias, e que me põe os nervos em franja, porque os juízos de valor que se fazem são efectivamente uma coisa linda, que devia ser banida inteiramente do planeta, mas que não é possível porque ainda existe muita gente burra por metro quadrado.

Entenda-se que, salvo no caso das crianças terem sido maltratadas fisicamente (com provas disso) e/ou abusadas, caso o Pai deseje ter as crianças consigo, não vejo problema nenhum nisso. Idealmente, para mim, uma semana para cada um dos Pais, é algo bastante exequível e que deveria ser a regra.
Acho dum egoísmo e duma crueldade imensa que a mãe ou o pai privem a criança da companhia de um deles.

Tenho um amigo cuja filha tinha dois anos quando os Pais se separaram, e ele ficou com a guarda da miúda porque a criança é vidrada no Pai. E hoje em dia a pipoquinha é muito feliz, vai pra casa da mãe sempre que quer, e passa o resto do tempo com o Pai.

Deixem de achar que os filhos são vossos porque os carregaram e os pariram, os filhos foram feitos por ambos, educados por ambos, e gostam de ambos, e como dizia o artigo, o que matou o vosso casamento foi gostarem mais dos filhos que do vosso marido. Assumam-no. Mas não façam disso o ponto de honra, os vossos filhos não precisam de gostar mais de vocês que dos vossos ex-maridos. Que tal equilíbrio e bondade?

Hoje fazemos três aninhos!!

Há 3 anos atrás a Petzi pariu duas criaturas que nasceram nas minhas mãos e das quais não fui capaz de me separar, fazendo de mim hoje "a lady do mop", "a maluca que tem três cães", "a amiga dos cãezinhos", "a dona da Petzi", "a dona do Bitoque" e "a dona da Juicy", "a gaja que tem metade dos móveis destruídos", e por fim, a Sofia, orgulhosa dona de 3 criaturas muito meigas, traquinas, e fofas quais ursos de peluche com vida, que chegaram, roubaram o meu coração e trancaram-no algures e deitaram a chave fora. Posso ser a louca dos 3 cães, mas sou 3 vezes mais feliz que muito boa gente, e não trocava estas minhas coisas boas por nada neste mundo. Parabéns aos meus bonequinhos, que hoje vão malhar um ganda bife ao almoço!!!

domingo, Outubro 26, 2014

Gostas mais do teu marido ou dos teus filhos?

Este texto é um MUST READ.

(...) To understand the frightening power of the parenthood religion, one need look no further than the 2005 essay in The New York Times by Ayelet Waldman, where the author explained that she loved her husband more than her four children. On “Oprah Where Are They Now,” the author recently reaffirmed the sentiments reflected in her New York Times article, and she added that her outlook has had a positive impact on her children by giving them a sense of security in their parents’ relationship. Following the publication of her essay, Waldman was not only shouted down by America for being a bad mother; strangers threatened her physically and told her that they would report her to child protective services. This is not how a civil society conducts open-minded discourse. This is how a religion persecutes a heretic. (...)

Full text aqui http://qz.com/273255/how-american-parenting-is-killing-the-american-marriage/

A minha Mae está a ver a missa em directo na TVI #2

E já agora uma pergunta de pacotilha mas que me está a fazer comichão...porque é que agora populam confrarias como cogumelos e aparecem todos nas missas vestidinhos a rigor, alguém me expernica, si fais favo?

A minha Mae está a ver a missa em directo na TVI #1

Há muita coisa que fere os meus ouvidos, mas nada como as velhas nos coros das missas a cantar em falsete. É como se me espetassem agulhas lentamente mesmo nos tímpanos. Ninguém cala as senhoras?

quarta-feira, Outubro 22, 2014

I'm a lucky bitch. Mesmo. Não se seguem fotos de praia e bikini, juro.

Então não é que descobri que há um autocarro da minha empresa que vai do Oriente até à PORTA da minha casa 8 vezes por dia? 4 de ida e 4 de volta?
And wait for it....... GRÁTIS!!!!

Em 20 minutos estou em casa. Ou no sentido contrário, no emprego.

Estou histérica, possuída, como é que é possível eu ter TANTA sorte?

A sério, espectacular meu, nem consigo acreditar. What are the fucking odds de eu ter alugado uma casa com uma paragem do autocarro da empresa à porta? Hã? Hã? Zero! No meu caso, 100%!!!

Tipo, wow!!

(pronto, agora já posso escrever normalmente sem falas duma pita histérica de 15 anos)

Isto significa que agora não há mesmo desculpa pra não ir ao escritório, e lá vou eu, tralala contentinha, duas vezes por semana, ver pessoas. Estava a fritar um bocadinho por estar sempre em casa, confesso. Eu gosto muito, mas estive 3 semanas seguidas e apanhei uma cansa. Assim passo lá 2 ou 3 dias por semana, e o resto em casa.
E de futuro posso também sonhar com este transporte.
É que até dá pra vir a casa almoçar e passear os cães, não estão a perceber, é mesmo.......

wow.

wow.

wow.


terça-feira, Outubro 21, 2014

Uma hora de RELAXING DOG MUSIC! Music for dogs; stop barking, crying, melhora separation anxiety e tudo, melhor só a banha da cobra ;)







Música pra relaxar cães. Piano, sons relaxantes, melhor que os panpipes que põem nas massagens!



Vejam lá se funciona e digam-me.

Eu estou a experimentar com os meus, mas eles já dormem o dia todo, não sei se realmente funciona ou não :)

Mas a partir de agora quando sair de casa vou-lhes deixar esta musiquinha em loop, oh se vou!



PS: com o mar de fundo, acho que até eu adormeço, isto é realmente bom, oiçam!



domingo, Outubro 19, 2014

18 de Outubro

E eu esticada na areia na praia de bikini e  toalha.
Algo que não me sucedia há muitos e bons anos.


Tenho andado a, finalmente, combinar com os amigos um jantar que permita por alguma da conversa em dia.
Surpreendo-me sempre com o facto de me parecer que estamos todos na mesma. Os anos passam, entramos nos entas, e contrariamente ao que era visível na geração dos meus Pais, temos um aspecto extremamente jovem.
Somos, obviamente, muito mais saudáveis do que eles eram: comemos melhor, fazemos mais desporto, vamos mais ao médico preventivamente do que reactivamente, viajamos mais, temos menos preocupações, digo eu.
Aspecto à parte, perdi a conta já de quantos amigos meus removeram carcinomas e fizeram radioterapias e quimioterapias antes dos 40. Felizmente ainda consigo contabilizar quantos se divorciaram, mas não sei durante quanto tempo vai ser assim. A grande maioria ainda tem Pai e Mãe, coisa que não acontecia na geração anterior. Tanta coisa que evoluiu e tanta coisa que permanece idêntica, chora-se pelos mesmos motivos, ri-se pelos mesmos motivos, muda-se de vida por motivos diferentes, de País, de cidade. 
Mas o Tuga, arreigado à necessidade de ser o eterno sofredor, o eterno coitadinho e perene fadista, insiste em contar a história de como a vida lhe corre mal e como é obrigado a mudar, quando o que deveras lhe sucede é que a vida lhe acontece tão facilmente comparada com a dos seus Pais, que se aborrece. Vive mais, mas não sabe viver. Que tristes.
Eu não hei-de morrer sem saber viver tudo o que puder. Por isso dia 18 de Outubro vim pra praia.

domingo, Outubro 12, 2014

TOP - I LOVE PORTA DOS FUNDOS





Os preliminares ocorrem com modéstia e humildade :)))

A rola de Carlos não diz a que veio ahahahaha

A sério, estes tipos são fabulosos!!!

quarta-feira, Outubro 08, 2014

Estão a ver as bagas goji?

Totally overrated. Colam-se aos dentes e não sabem a nada.
Não queria morrer estúpida, tive que experimentar.

terça-feira, Outubro 07, 2014

Sequelas

Tenho alguns amigos de quem sei que vou ser amiga até ser velhinha. Principalmente as minhas antigas colegas de casa, sem desprimor pros outros, mas a Marta, a Mafalda e a Tininha são como se fossem minhas irmãs.
O regresso foi também feito por elas, porque as quero acompanhar, aos novos desafios delas, sejam eles mudanças de filosofias de vida ou filhotes e maridos.
Sinto o mesmo que quando leio um livro e adoro os personagens e de repente o autor cria uma sequela. Tenho saudades destes personagens, quero saber o que lhes aconteceu, acompanhar o dia-a-dia deles, saber como lidam com as alegrias e com as contrariedades.
Regressar é então como ler a sequela.
E tal como nos livros, perdi 6 anos de aventuras. Não é possível ler mais que a sinapse destes, por isso há um esforço para poder ler a continuidade sem ter de saber os ínfimos detalhes, esforço esse que começou pelo facto de ter feito de tudo para viver o mais próximo possível delas. A Mafi vive em Coimbra, a Tininha em Mafra, mas vivo a 500 metros da Martinha. Foi condição sinequonone (escreve-se assim?) para a escolha da casa nova em Lisboa.
Tenho visitado a Marta, seu dedicado e amoroso esposo (de quem gosto a pacotes) e filhotas de quem já gosto como sobrinhas verdadeiras, o mais possível, digamos que mais ou menos de 15 em 15 dias me convido pra jantar, e não há uma única vez que não me sinta em casa.
Mas hoje foi a primeira vez que voltei a estar sozinha com a Marta e durante duas horas pusemos a conversa em dia, não sobre o porquê de eu ter voltado ou sobre como eu me sinto, não sobre como se portam as miúdas, mas sobre o dia de hoje, como é que correu o trabalho, sobre o futuro e coisas novas que fazemos, falamos sobre HOJE.
E de repente voltei a sentir-me como quando já vamos a meio do livro, e voltamos a estar embrenhados na nova história, coisa que só acontece quando o autor deixou de repisar no passado.
A questão que se levanta é: quanto tempo é que levamos a voltar a entrar na rotina dos outros, daqueles que deixamos pra trás quando fomos pra fora? Quão importantes são as pessoas que cá ficaram não é algo que se discuta sequer! Mas estarão eles preparados ora nos receber?
Nós estamos preparados para voltar e egoistas como somos, achamos que a vida só se passou pra nós, só nós é que tivemos emoções diárias provocadas por desafios constantes como encontrar casa, aprender um novo idioma, encontrar novos caminhos profissionais, enfim. Mas, e é óbvio, a vida de todos muda a uma velocidade estonteante, nós  como pessoas mudamos imenso, todos nós, não só a de alguns.
Então e agora regressados, começamos novamente! Mas qual o ponto de partida? O da há 20 anos ou o de há 6 anos atrás? Estaca zero? Queremos ler a sequela ou reler o livro antigo? E eles?
Estaremos nós, os que regressamos, preparados para deixar os livros antigos na prateleira? E eles?
Quanto tempo leva a cada um de nós, aos que fomos e aos que ficaram, para querer  ler uma sequela? 
Eu hoje descobri que, é, efectivamente, um enorme privilégio ter uma biblioteca cheia de livros encadernados em pele, mas eu adoro sequelas, e sabe-me mesmo muito bem deixar de reviver passados e ler sinapses aproveitando, e bem, o livro que tenho nas mãos, acabadinho de comprar, a cheirar a papel novo e por folhear. E sorte a minha, também eles querem. Mas nem sempre é assim, e eu tenho de me preparar psicologicamente pra isso. É um esforço de ambas as partes, não depende só de mim. E se hoje correu muito bem, dias haverá em que não será assim. E eu vou ter de me conformar, porque afinal quem decidiu partir fui eu, não foram eles. 
Nunca tinha pensado nisto.

Porra que há gente muito chata, meu - I LOVE PORTA DOS FUNDOS




vida a dois é uma merda. E por mais que você se esforce, não há nada que você possa fazer quanto a isso. Tudo o que você faz podia ser melhor ou diferente. Comprou um cãozinho fofo? A pessoa preferia adotar um gato. Planejou férias no Havaí? Ela queria esquiar. Trouxe a mãe dela pra morar com vocês? Ela queria um asilo. Se matou porque não aguentava mais? Podia ter se enforcado ao invés de um tiro. O problema é você que ainda tenta.

Comparações

Espectacular: http://www.oecdregionalwellbeing.org/

Se tivesse mais tempo disponível, dava-me ao trabalho de dissecar e retirar conclusões dos dados de Portugal vs Holanda, mas não tenho. E quem diz Holanda, diz outros países.
Por isso deixo-vos o link, e vejam por vocês mesmos e saquem daí as devidas conclusões.
Só pra apimentar a coisa, achei fantástico que o rendimento médio per capita em Noord Holland (zona de Amesterdão) fosse de 13 mil e poucos euros, e o de Portugal (Lisboa) fosse de 12 mil e tal.
Será que mil euros por ano (não chega a 100 euros por mês) nos fazem um país muito mais pobre? Ou será mesmo a pobreza de espírito que nos faz mais pobres?
Hum, decisions, decisions!

segunda-feira, Setembro 29, 2014

E depois há o reverso da medalha

Chegar a casa e ter o jantar feito e a mesa posta pelo Chefe Ivo, com direito a queijos franceses e rosbife, bom vinho, e belíssima companhia numa noite de chuva e morrinha. O cúmulo foi os meninos arrumarem a mesa tão rapidamente, que eu nem o meu prato consegui levantar. Que luxo de vida! Que luxo de colegas de casa!


Um dia normal em Amesterdão

Céu enevoado de tal forma que parece que o D. Sebastião vai aparecer a qualquer momento!
Ainda me perguntam se não tenho saudades, seriously?


terça-feira, Setembro 23, 2014

HeForShe

He for She

If you are a man that believes in equality, please click above and listen below to Emma Watson:




O tempo passa lentamente

Eu tinha 25 anos, tu tinhas 24. Putos parvos a brincar aos crescidos, encontramo-nos em Londres. Faz esta semana 12 anos. E quando fizer 20, será que me vou lembrar? Correu tudo mal, mas mesmo assim foi memorável. Levei a maior tampa do século e mesmo assim nunca te odiei, nunca te quis mal. It was the beginning of a beautiful frienship.
E eu nunca mais voltei a Londres.

Last Week Tonight with John Oliver: Miss America Pageant (HBO) - MUST SEE!!!

segunda-feira, Setembro 22, 2014

Nunca mais chamo pelo Santo António! I LOVE PORTA DOS FUNDOS!

Seriously S. Pedro, we didn't sign up for this!

Festival Todos em São Bento no Domingo passado

No Domingo passado recebi uma mensagem eram aí umas duas da tarde: queres vir ao Teatro?
Nem perguntei sobre o que era, disse só que sim, e combinei com o pessoal às 3 e meia.
Meti-me no carro e perguntei a direccão: São Bento, Assembleia da República.
Mas não me vou meter em manifs e cenas, pois não?
Não, não, vamos ao Festival Todos.
O que é isso?
Já vais ver.
Quando dei por mim, estava a subir as escadarias da Assembleia. Nunca lá tinha estado, é lindíssimo! 
Sala do Senado.
Estava lá uma moça a fazer uma performance. Não era teatro afinal de contas, mas uma conversa diferente com o público que quisesse assistir, sobre Desigualdade.
Não vou discorrer muito sobre o assunto, porque não me apetece estar aqui a elaborar sobre o que eu acho sobre o que outros acham sobre o "porco capitalista", ou sobre o quão ridículo é querer delimitar salários máximos numa empresa privada. Vou só dizer que além de não concordar minimamente com o discurso da Senhora, acho que foi uma seca.
Quase adormeci. Foi giro vê-la cantar no púlpito pelo inusitado da coisa, alguém a cantar no púlpito da Sala do Senado, mas fora isso: boooooring.



Saídos da Assembleia, encontro a Manuela, mais uma das minhas amigas que voltou da Holanda e aterrou em Lisboa (do meu grupo de amigos em Amesterdão (e na Holanda), já cá estamos SETE), e eu de repente senti-me numa peça de teatro, em que os personagens de vários actos se reunem todos neste acto presente, todos parte da minha vida passada e da presente, e espero que da futura. Foi uma sensação muito grata, não sei explicar.

Pensando que ia de regresso ao carro, começo a perceber que existem actividades por todo o lado. E vejo um alinhamento de pessoas a .... ler! Em voz alta. Num corredor formado por pessoas que lêem em voz alta, vestidas de negro, passam outros, como eu, que vieram ao Festival, e que os escutam.
Também entrei no corredor, claro! Liam todos o mesmo pedaço de texto, continuamente, mas não estavam sincronizados, logo ouvia-se várias vozes e vários bocados de texto, com entoações diferentes, sobre a igualdade.
Muito giro!




Ainda dei um salto a uma exposição de fotografia, numa casa mesmo em frente ao mercado, e vi como as pessoas do Bairro de São Bento foram fotografadas nos seus pátios, em família, posando como há 100 anos atrás, em fotos com um tratamento que me fez duvidar da temporalidade. Outra coisa engraçada foi ver como os Portugueses são o produto de tantas nacionalidades, vê-se nas feições e nos traços que sugeriam descendências claramente da América do Sul, da Índia, de África e Árabe. Todos muitos morenos, de cabelos lisos e olhos rasgados. Alguns com olhos claros, outros muito baixinhos, e ainda a nova geração mais alta. Vejam o cabeçalho do site pra terem uma ideia: http://festivaltodos.com/

Vim a casa jantar com dois amigos, e regressei ao Festival pra ver a Orquestra Todos.
Dancei até não me consegui mexer, no meio dum ambiente espectacular, com pessoas do mundo todo, muitos Portugueses também, e uma boa onda que não consigo descrever.
A Orquestra é realmente muito boa, as vozes são magníficas, a mistura eclética de instrumentos é cinco estrelas, e fiquei, como não, fã deste Festival que ocorre todos os anos por esta altura em São Bento.
Foi mais um domingo altamente, que não esperava, e que me fez pensar que é por coisas destas que eu regressei. Gosto tanto de cá viver!





Finalmente viemos ao Out Jazz!!

Hoje de manhã fui ao Marginal sem carros.

Apanhei um escaldão na tromba que foi um consolo e o nível de humidade era tão alto que quase me deu um badagaio a meio da aula de Sh'bam do Vivafit de Paco de Arcos ( o facto das instrutoras terem um endurance inacreditável pro calor que fazia fica pra outra conversa!).

Mas foi giro, e uma manhã muito bem passada com a Fernandes.

Cheguei a casa às duas e chovia e trovejava. Depois dum bom banho e dum almocinho, refastelei-me no sofá a ler um livro e passado 10 minutos estava aborrecida como uma pescada. Não porque o livro fosse desinteressante, mas porque não me apetecia estar em casa, mas também não tinha combinado nada com ninguém e já eram quase 4 da tarde, quem é que eu ia desencaminhar a esta hora?
Decidi meter-me no carro e ir passear com os canídeos. Fui pra Expo, ainda lá não tinha ido desde que regressei.
Pelo caminho mandei vir comigo mesma por não ter ido a um único Outjazz este ano. E tanta vontade que eu tinha!
Mas tinha acabado dia 15...mea culpa.
Quase a chegar lembrei-me de ligar à Garota e ir ver a Margarida, a terceira filha mais sortuda do mundo de um dos meus casais favoritos, ficava ali mesmo ao pé. Estavam em casa!
Primeiro fui dar uma volta a pé com os estarolas, marquei uma hora de relógio.
Fui pela margem até ao fundo da Expo. No regresso lembrei-me de vir por dentro e...chaaaaram! O Meo Out Jazz!!!
Afinal ainda não acabou! Só acaba no fim do mês e durante Setembro é na Expo!
Ganda pinta!
Sentei-me com eles, rebentadinhos de cansaco e calor depois de 45 minutos de passeata, e comecaram as fotos e os mimos.
É tão engracado ver toda a gente a sorrir pra mim quando os vêem, farto-me de receber elogios à alvura dos elementos (e eu acho que eles estão um nojo), eles recebem mimos de toda a gente, vem tudo dizer olá e pedir pra fazer umas featas e eu: com certeza!
Foram os senhores da Lipton, depois os senhores da Meo, foi uma festa, toda a gente lhes quis tirar fotos.
E eu toda contente ao som de bom jazz e a pensar, afinal já não foi uma seca de tarde!
Dali dei um salto pra ver a Margarida, coisa mais pequenina oh pa, e tive direito a pegar na bomboquinha ao colo e tudo! Ainda vi a mana Sofia e o mano Vicente (estão tão grandes, God!) e mostrei-lhes os estarolas, brincaram todos, foi um fim de tarde supimpa!
De regresso a casa fui convidada pra jantar com a minha outra familia favorita de todos os tempos e brincar com a Clarinha e a Ritinha. Deixei os bombocas em casa, atravessei a rua e acabei o domingo em família.

Quem diria que afinal ia ter um domingo tão fixe?






Os cabrões que vandalizaram este banco, queriam as mãozinhas pintadas de vermelho durante 15 dias! Palermas!

sexta-feira, Setembro 19, 2014

De Santa Apolónia à Ribeira das Naus

Eu não gosto de fazer exercício, nunca gostei. E a razão é simples: não sou boa a fazê-lo, nunca fui.
Mas descobri que posso conhecer sítios novos a correr, devagarinho, às vezes a andar.
E se não corro por falta de qualquer tipo de espírito competitivo, até comigo mesma, gosto de conhecer sítios novos e quando vou de férias é um prazer explorar recantos calmos das cidades a correr. Porque não fazer o mesmo em Lisboa?
Então no sábado passado calcei os ténis, vesti o equipamento e fui até Santa Apolónia, estacionei o bólide, e comecei a percorrer o passeio marítimo (pode-se chamar assim?) e fui correndo e andando. Fiz 8 kilómetros (ida e volta!) e andei a maior parte do tempo, não se iludam), e fiz o reconhecimento duma zona nova da cidade onde até hoje só tinha passado de carro. Levei hora e meia, mas cheguei a casa radiante e com a ideia ainda mais vincada, que Lisboa é a cidade mais bonita do mundo, e que há excelentes motivos pra estarmos todos muito orgulhosos dela.
No regresso tirei imensas fotos, que partilho na esperanca de convencer aqueles que ainda não nos visitaram, a fazê-lo. E na esperanca de que aqueles que cá vivem facam o mesmo que eu, e sejam turistas na vossa própria cidade.
Este sábado vou correr pra outro lado da cidade, espero pra semana postar fotos igualmente bonitas.