terça-feira, Setembro 02, 2014

Hapiness sounds more or less like this

My garden filled with friends, working from home while wearing a bikini, relaxing by the end of the day, just with a book, a mini and sun light and blue sky.
Can't ask for more then this!

Não sei porque me deu pra escrever em inglês! ;)

Um xi coracao apertado pra todos os que me visitam e nos mimam aos 4.

I love you!







Porque há que procurar o melhor nas pequenas coisas

Lindo de morrer este poema.
Para ler inteirinho.

He visto el inicio de un viaje


He visto el mar,
paisajes únicos,
gaviotas planear,
rocas,
cortados,
plantas de todos los colores,
he visto arena,
huellas,
olas que vienen y van,
he visto niños,
familias,
amigas,
amigos,
partidos de fútbol,
pelotas de rugby,
de bádminton,
padres jugando con los hijos,
niños felices haciendo castillos en la playa,
he visto solteros morenazos esperando ser cazados,
he visto gordos y gordas felices,
viejos y viejas de la mano, abrazados.
he visto gente corriendo,
sonriendo,
familias gritando,
parasoles,
sombrillas,
paravientos,
baños de diseño,
chiringuitos de madera,
baños públicos,
y mierdas en los caminos.
he visto camisetas rojas,
familias enteras de amarillo.
he visto parejas,
bicicletas,
gente con sudaderas,
y gente casi desnuda.
he visto rubios tatuados,
he visto pictogramas en las paredes,
mensajes de amor,
de olvido.
he visto huellas que se las lleva el viento,
el mar.
pisadas que van y que vienen,
pero no te he visto a ti,
ni a mi.
he visto un tipejo con bañador ajustado, mochila, sombrero y toalla.
he visto como se bañaban niños y niñas,
he visto hormigas,
escarabajos,
familias de pescadores,
familias mayores.
he visto amaneceres increíbles,
y he visto que no podía cenar sólo.
he visto tiendas,
construcciones nuevas,
negros trabajando sin parar.
mis pies descalzos por las rocas.
he visto parapentes,
piraguas,
hamacas,
sombreros,
gorras,
chicas sólo de negro.
he visto gimnastas entrenando en posturas inverosímiles.
he visto patatas fritas,
comida,
bebida.
he visto gente con cubos de erizos,
arena con cáscaras de naranja.
he visto mierda verde y oscura.
he visto grutas,
escondrijos,
cangrejos muertos,
cigarrillos,
castillos de arena,
casa de monjas,
y casas de putas.
he visto el móvil por si recibía alguna contestación.
he visto las flores más bonitas,
las nubes más rápidas,
las más tristes,
pero no te he visto a ti,
ni a mi.
he visto soledad,
tristeza,
tiempo robado.
he visto crustáceos entre rocas milenarias,
he visto piedras,
palos,
perros jugando,
y perros durmiendo.
he visto furgonetas con parejas en acantilados.
he visto autobuses que se iban
y toallas solitarias,
diques,
puertos,
miradores,
grupos de alemanes,
de franceses,
de portugueses,
de españoles que hablan alto, que no dicen demasiado.
he visto comprar un “frango no churrasco” para llevar.
he visto coches con tiendas.
he visto amaneceres únicos.
y ver la 01.03 en el reloj.
he visto tanto y nada (...)
viento que viene y va.
he visto botes de agua,
sudaderas,
pantalones cortos,
vigilantes esperando ser mirados,
tíos abiertos de piernas esperando ser vistos.
he visto al niño,
he visto al hombre,
al que no sabe que hacer con su libertad.
he visto lo mirado,
lo perdido.
he visto por qué hay canciones que no querías oír.
he visto libros,
papeles,
ropa roja,
ropa tendida,
ropa mojada,
conchas,
piedrecitas,
musgo,
y las olas del mar,
y gente mojándose a las 9 de la mañana,
y gente con traje, tabla y arpón.
he visto mandíbulas cerradas,
ojos que no pueden más.
he visto como la voz no salía,
o como te dejaba marchar,
he visto gotas de lluvia,
y deseo de marchar.
he visto mensajes de ayuda sin contestar.
he visto amistades.
cariños y gotas a punto de escapar.
he visto el calor.
he visto barbas,
marineros,
y amigos con los que estar.
he visto dolor y tristeza.
he visto fotos que recordar.
he visto viajes.
he visto noches en blanco,
y noche que rememorar.
he visto noches con ordenadores,
y noches durmiendo sólo.
he visto las horas pasar.
he visto libros,
revistas,
he visto mapas,
rutas por explorar.
he visto regalos,
gente que te invita a tomar.
he visto noches de fiesta sin fiesta.
he visto días sin siesta,
y sueños cuando no han de estar.
he visto que he perdido tu aroma.
he visto como mi pelo se convertía en un manojo de pelos sucios,
he visto tu cuerpo desnudo,
arreglándose para estar.
he visto tus ojos.
he visto tus dedos,
tus labios,
tu ombligo,
tus pies.
te he despejado el pelo de la cara,
pero también te he visto marchar.
he visto papeleras,
papeles higiénicos,
niños llorar,
palas,
castillos,
trincheras.
he visto pasar las horas
y ningún mensaje llegar,
juncos,
palmeras,
árboles japoneses,
niños corretear,
mujeres de blanco impoluto,
familias indias con niñas encremadas de blanco impoluto.
he visto negros esperando una oportunidad,
amigos,
amigas,
hermanos,
padres e hijos,
hijas de la mano de sus madres mayores,
o como un niño le ayudaba a andar a su abuela.
he visto grúas,
edificios,
castillos y palacios,
plazas de diseño,
pulseras,
rameras.
he visto como mi corazón me dolía.
he visto niños con cestas,
abuelas con cubos,
viejos en moto,
gente pasear.
he visto como mi padre recuperaba a su padre
mientras dejaba a su madre marchar.
he visto niños recogiendo piedras,
camisas a rayas,
hippies redimidos,
anoréxicas,
y gordas a punto de explotar.
niños chutando contra porterías imaginarias,
gorros y gorras,
gordos y gordas en paz.
he visto que no he comido,
he visto que algo no me deja en paz.
he visto silencios.
nubes marchar.
he visto libros que nunca quiero empezar.
he visto un montón de cosas que nada importan ya.
he visto tipejos sin pasta,
apuntes ilegibles,
gente que se quiere bañar,
pero no te he visto a ti,
ni tampoco a mi.
he visto futuros inciertos.
he visto noches esperándote
y amigos que no me han dicho “na”.
he visto caravanas,
mujeres en bragas,
nadadores,
y un frío que me recorre ya.
he visto a él y a ti,
me he visto a mi.
he visto que muchas de las cosas que le dabas importancia,
ninguna tenía ya.
he visto estómagos destrozados.
rodillas que no me dejaban en paz.
avionetas,
aviones,
amigos que lo han pasado mal.
he visto mi felicidad continuada,
he visto viajes increíbles,
he visto paseos increíbles,
caricias.
he visto sillas acumular,
y trayectorias por comenzar,
he visto huellas de espacios comunes.
he visto que todo comenzó ya.
he visto rupturas.
primeros amores,
y pasillos de facultad,
amigos perdidos,
y amistades de verdad.
he visto mierda flotando,
y juntarnos a “rajar”.
he visto molinos,
hórreos,
o campos de energía solar,
he visto moles de rocas por las que pasear,
he visto que estoy sólo,
he visto que no estoy sólo.
he visto vidas por recuperar,
salidas,
viajes,
y vidas por cambiar.
he visto trabajo y noches sin parar,
y becas y justificaciones,
y mierdas que no nos dejan parar.
he visto que ya no preocupa el futuro,
he visto viajes futuros sólo,
y viajes contigo.
he visto películas,
canciones,
exposiciones.
he visto dolores de espalda,
y cenas preparadas ya.
he visto esperarte.
he visto desearte,
he visto chuparte,
sentirte,
he visto como me iba ya.
he visto demasiadas veces que no quería pero que ella sí.
he visto tristeza,
he visto tu pereza.
he visto mañanas de besos.
he visto parejas jugando a las palas,
a las damas,
partidas de cartas,
trenes en los que jugar.
chicas ajustándose el bañador,
y chicos sin parar de tocársela,
y nubes que vienen y van.
he visto viajes,
trajes,
y ropa que se ha de tirar.
regalos, compras que nunca se han de usar.
he visto coches para uno,
y acompañantes mochilas,
acompañantes sombreros,
acompañantes bolsos y bolsas,
acompañantes imaginarios.
y pendientes en la tripa,
y pendientes en los labios,
y pezones duros como escarpias,
y sexos que no quieren bajar.
y llamadas que no llegan ya.
he visto a un padre decir a su hijo,
"esto es un cañón que va a disparar contra el hotel",
he visto puentes rojos,
grandes cadenas.
he visto tejados vallados,
puestas de sol sobre miles de azoteas.
he visto mimos,
mujeres con rastas,
colgados,
“hareKrishnas”,
faldas a cuadros,
relojes,
torres,
iglesias,
grúas,
edificios demasiado altos,
edificios caídos,
tejados a lo “versalles”,
y azulejos portugueses,
gafas “wayfarer” rojas,
y venta ambulante,
puestos de chocos,
sardinas,
peixe espada,
peixes,
chimeneas olorosas,
cruces,
ángeles,
santos,
antenas,
bares,
fábricas,
acantilados.
me he visto a mi mismo deambular sólo.
pero no te he visto a ti.
he visto campanarios,
iglesias,
curas,
chimeneas,
contraventanas,
hippies,
pintores de brocha gorda,
pueblos perdidos,
calles vacías,
suelos adoquinados,
lluvia rápida,
nubes muy rápidas,
turistas,
avionetas,
miles de carteles de “vende-se”,
fincas rústicas,
chalets de todas las índoles,
casas amarillas,
casas rojas,
un perro atropellado,
un puerco-espín,
un gato,
creo que he visto estrellarse un pájaro contra el coche.
he visto servicios convertidos en jungla.
he visto concentraciones de auto-caravanas,
puertos llenos de yates,
chinos y chinas,
indios con plumas,
negros,
africanos con túnicas,
con rastas,
parejas vestidas con la misma tela roja estampada,
he visto como robar wifi en el centro,
he visto miradas,
y esquivas,
esquinas,
calles empedradas,
cortadas,
caminos sin fin.
he visto perderse al GPS,
y sin embargo llegar al fin.
he visto millones de personas agrupadas en un plaza con vistas al mar,
he visto a un niño fumar,
mochilas,
pañuelos,
ponchos,
yembés,
pitas,
piedras.
he visto lofts,
y casas abandonas,
pueblos abandonados,
vendedores de cerveza,
de discos, películas, gafas, tiritas, encendedores, lotería.
jerséis marrones con círculos azules menos uno.
he visto mujeres afeitadas,
y peluquines amarillos,
zapatillas horteras.
he visto cúpulas,
crápulas,
caraduras.
he visto palomas,
gaviotas,
gafotas,
andaluces,
la ciudad llena de luces,
la oscuridad,
los paseos nocturnos,
los arrecifes [...],
las nubes marchar,
he visto libertad y mi soledad,
sombreros de brujo,
becquers o cervantes,
pedos tonificantes.
he visto murallas,
casas recubiertas de verde,
farolas,
quioscos,
torna-vientos,
cigüeñas,
viejos con bastones,
saludos con puños,
manos que se rozan,
cabezas que se apoyan,
calzoncillos a rayas,
y japoneses bebiendo cerveza,
portátiles,
trajes,
guitarras.
he visto ventanas rojas,
azules,
blancas,
farolas,
callejuelas,
pinos,
verjas,
coches de todos los colores,
concentración de minis,
minis-camioneta,
coches trincheras,
calles empedradas,
portones azules,
boinas,
pies descalzos,
paraguas,
enredaderas,
rincones maravillosos.
he visto increíbles árboles destrozar el suelo que lo sustentan,
personas presumir de sus viajes,
de sus vidas.
miradas mágicas,
instalaciones increíbles,
invisibles,
construcciones,
suelos levantados,
camionetas,
camiones,
sillones abandonados,
sillas tiradas,
esculturas de madera,
andamios,
tendederos,
“ruas”.
he visto como entrevistaban a curas,
o cómo pedían dinero en varios idiomas,
he visto mapas de portugal,
guías,
tendederos,
viejos asomados a las ventanas,
retretes en el suelo.
y personas solteras-solitarias deseando hablar.
uñas pintadas de azul,
teteras japonesas para tes de sobremesa,
colas para restaurantes,
para museos,
para cajeros.
he visto como llegaba el primero al museo,
he visto como todos dormían,
como estaba todo cerrado.
a ti hace tiempo que no te veo,
y a él tampoco.
he visto llover y amanecer,
saltar y correr,
cubrirse y descubrirse,
llorar y reír,
sentir y padecer.
he visto casados y amargados,
y parejas de enamorados.
familias multicolor,
pantallas multicolor,
y póster multicolor,
combos,
turbinas,
motores,
tornillos más grandes que mi brazo.
montañas de carbón,
de tierra,
de excavaciones,
grúas,
tractores,
ganaderos y perdedores,
golosinas de colores,
pasteles,
troqueles,
e incluso doseles.
he visto tantas cosas.
pero tú ya no estabas, tú te habías ido.
he visto parejas susurrarse,
gritarse,
mirarse y no tratarse.
he visto escritores,
pintores,
colectores.
he visto nada,
no podía ver nada,
ha veces hasta consigo ver y disfrutar,
hasta consigo comer, ser y estar,
a veces hasta te veo.
cerca muy cerca,
pero luego te vas.




mario gutiérrez cru 13 abril 09
 http://mariogutierrezcru.blogspot.pt/2009/04/he-visto-el-inicio-de-un-viaje.html

segunda-feira, Setembro 01, 2014

Qué tal?

Este fim de semana conheci um rapaz Espanhol que tem a sua própria empresa de Arte, é creativo. Mais não sei explicar, mas pro caso basta. Perguntei-lhe que tal lhe ia em Lisboa e por Lisboa. Ao que ele me respondeu: mal. Pero se mal-vive muy bien en Lisboa.
E eu, compreendi-o. Mesmo bien-viviendo muy bien en Lisboa.
É tudo uma questão de perspectiva.

São 17:18

Tenho inveja de mim mesma. Juro. 

quinta-feira, Agosto 28, 2014

Os estereótipos Holandeses

Ri-me de caraças!
Mas vejam a imagem ampliada aqui: http://media.dumpert.nl/foto/45c4fa0b_QYzBR8r.jpg


Vai ser assim até quando eu quiser!!

“Mas e aí? Vai ficar solteirão para sempre? Vai ser assim até quando?” E eu vou te responder com a maior naturalidade do mundo: “Vai ser assim até quando eu quiser”. Quando encontrar alguém que seja maior que tudo isso, ou talvez alguém que consiga me acompanhar. E não venha me dizer que aquele relacionamento meia boca seu é algo assim. O que eu espero é bem diferente. Quando se gosta da vida que leva, você não muda por qualquer coisa. Então para mim só faz sentido estar com alguém que me faça ainda mais feliz do que já sou, e como sei que isso é bem difícil, tenho certeza que o que chegar será bem especial. E se não vier também está tudo bem sabe? Eu realmente não acho que isso seja um objetivo de vida.

Podia ter sido eu a escrever isto: http://www.precisavaescrever.com.br/vida-de-solteiro/


It had to be you by Harry Connick Jr





Ainda hoje é uma das minhas músicas favoritas, num dos meus filmes favoritos.

Faz-me sentir romântica! :)

Agora é encontrar um elemento que me faça ser romântica, ahaha

Como Ter Um Bom Dia - Gratidão

segunda-feira, Agosto 25, 2014

A vida lá fora - parte II

Já agora uma adenda, este fim de semana estive num casamento e tirei várias fotos com amigos, sempre na palhaçada, e cada uma delas foi tirada com um fito especial: mandá-las à Tuxa, que não pode estar presente porque agora vive onde Judas largou as botas, e estava cheia de pena por não poder estar presente. Só não veio porque não deu mesmo, mesmo. Mas eu sabia que era muito importante pra ela poder cá estar, e sei acima de tudo o quanto custa não poder estar presente.
A tecnologia é algo maravilhoso quando usado da forma correcta.
A Tuxa pode estar um bocadinho connosco, saber que não nos esquecemos dela, ver uns vídeos feitos pra ela e receber beijos de todos.
Eu sei que ela ficou muito feliz, e que I've made her day, e isso não tem preço.
Viva o whatsapp! E viva a Tuxa ;)
No entanto não publiquei uma única foto das que lhe mandei, e olhem que estão bem giras. Mandei-as às pessoas que estão comigo nas mesmas, e se quiserem, se gostarem, podem publicá-las.
Mas o momento era dos que lá estavamos, e dos que queriam muito mas não podiam estar de todo, e para isso pode-se, em vez de exteriorizar pro mundo todo, fazer um mimo e um agrado e mandar por mensagem pessoal às pessoas um momento especial. Todos participamos, noivos inclusive, e em vez de exercermos narcisismo, exercemos altruísmo.

A vida lá fora







Aqui há uns meses li um texto (de cuja origem não me lembro) que dizia algo como "as pessoas estão tão preocupadas em exteriorizar que se esquecem de interiorizar". Isto sobre o facto das pessoas passarem o tempo todo a gravar os concertos com os telemóveis.

O que é facto, é que esse dito texto mudou a minha maneira de estar nas redes sociais.

Eu sempre tive o blog, sempre partilhei demais o que faço e do que gosto, por isso o Facebook não foi uma epifania para mim.

Mas é uma revelação para muita gente.

As pessoas partilham demais, há demasiada falta de decoro e privacidade, e exageram no que mostram ao "seu mundo".

No entanto, o facto de eu Sofia, achar que é partilha a mais, não invalida que tenham todo o direito de o fazer. E eu todo o direito de o ignorar.

Só que o mural do FB não é um muro opaco, é uma porta transparente que põe a nú se a pessoa se sente sozinha, se está infeliz ou despreocupada, mostra claramente o evoluir de relações interpessoais que deveriam permanecer na esfera privada.

Quando alguém vai de férias com outrém e passa os dias a postar fotos de tudo o que vê (falo dos posts com mais de 10 fotos por dia), os motivos são claros e limitados:

- informar a família de que está tudo bem a cada passo;

- mostrar aos outros o que atingiu e o quanto se está a divertir em God knows where, vulgo, esfregar na tromba do outro que fez a viagem A, B ou C;

- sente-se tremendamente sozinha, e por isso partilha para obter reacções que a façam sentir acompanhada;

- mostrar a alguém "que ficou em terra" quem é e o que faz em viagem, uma espécie de folheto de venda pessoal que mostra o quão "cool" se é;

- puro e simples exercício de narcisismo.

Na maioria das vezes, o que para mim acontece, é que há uma falta de respeito enorme pela(s) pessoa(s) que nos estão a acompanhar, seja na viagem, seja no jantar, seja no concerto ou na peça de teatro, porque se convidamos ou fomos convidados por alguém pra fazer uma certa actividade, então é porque queremos estar com essa pessoa, não com o resto do mural do FB ou do Instagram. E se estamos constantemente a postar o que estamos a fazer, é porque possivelmente não estamos satisfeitos com a companhia.

Pelo menos é assim que eu me sinto. E foi isto que o tal texto sobre "exteriorizar em vez de interiorizar" me fez pensar.

É natural, se vejo algo de cortar a respiração ou que me emocionou, que o partilhe aqui no blog (no meu caso) ou no FB ou no Instagram, mas porquê partilhá-lo naquela hora ou naquele momento e passar o resto da noite atrás da password de wifi do restaurante ou do bar pra poder partilhar em real time?

Se fui a um restaurante extraordinário e amei a comida, posso até tirar fotos aos pratos, coisa que já fiz muitas vezes, e partilhar depois juntamente com uma resenha do restaurante e devidos links com contactos, para que outros possam experimentar aquele restaurante quando lá forem. E quem diz isso, diz partilhar o local e nome do restaurante, juntamente com um pequeno comentário como "recomendado" ou então "intragável".

Se vou de férias e adorei uma determinada paisagem, tiro fotos, aponto, e depois partilho para que outros possam usar a mesma rota, quisás, ou abrir o apetite a outros para que visitem aquele sítio em particular. Faço-o imensas vezes no blog, e leio com todo o gosto os blogs de outros e pesquiso as suas experiências e escolho o que fazer em viagem com base nisso. Mas fotos de pés na areia não me dizem nada. Ou uma selfie que diz "praia" ou "Canárias", também não me diz puto sobre o sítio onde estavam e se gostou ou não.

Se vou a um casamento, que necessidade é que eu tenho de publicar no mural dos noivos, ou identificá-los para que tal aconteça, que estou lá naquele momento? Reparem, se só se convidaram 50, 100 ou 150 pessoas pro casamento, é porque os noivos não queriam convidar mais gente para aquele momento íntimo. Ou se calhar até queriam, mas não puderam fazê-lo financeiramente, por isso deixem-nos a eles, aos noivos, publicar uma foto deles com o texto que lhes apetecer, sobre aquele acontecimento na vida deles, e depois de eles publicarem, postamos uma foto nossa, mas again: depois! Não tem que ser na hora, naquele momento.



Eu sou culpada destes pecados todos, mas mudei a minha forma de fazer as coisas depois de entender que, ao estar tão preocupada em exteriorizar a cada momento o que estava a fazer, não estava a aproveitar o momento actual, e principalmente, não estava a apreciar as pessoas com quem estava. E se calhar até estava, mas se calhar e muito possivelmente, não.

Quando fui de férias a Marrocos este ano em Maio, pus uma selfie na hora da partida, com uma cara de morta viva, estava arrebentada, mas a dizer que estava fora. O objectivo da foto era informar as pessoas que não me ligassem, que não me mandassem emails, whatsapp ou mensagens. Estava FORA. OFF. E estive. Postei uma foto uma semana depois de vir, uma foto do amanhecer no deserto, que para mim foi O momento e que recomendo vivamente.

Não o fiz pra "cagar postas de pescada", pra fazer inveja, pra meter nojo, ou pra me auto-promover como viajante profissional. E enquanto viajei fiz questão de aproveitar os momentos para conhecer as pessoas com quem fui, e o certo é que fiz amigos, coisa que não acontecia há anos em viagem. Dá que pensar, não dá?

Estamos sempre "ligados", sempre "on", sempre a pensar no que os outros pensam, se fulano de tal e beltrana de tal vão gostar daquela foto, daquele momento, ou ficar roídos por não estarem lá. E não, o mural do FB, não é o vosso diário de bordo, é o vosso expositor.

segunda-feira, Agosto 18, 2014

De que tamanho é o teu trauma?

Grande, muito grande!

Hoje de manhã acordei às 7 e ainda a dormir fui à app do accuweather ver o tempo pra hoje, porque ia passear os cães e queria decidir se levava um casaco ou não.
Quando abro a dita cuja, vejo uma imagem que dizia: máxima 18 graus e mínima de 12. E a chover.
O meu coração encolheu três vezes, juro.
De repente sai-me um "f...-se"!
E depois reparo que diz Amesterdão e LEMBRO-ME ainda a acordar...ah não! Espera! Tu agora estás em Lisboa!! Muda a página ó idiota!
E ainda meio abalada e ao mesmo tempo radiante, arrasto-me da cama pra fora, visto um vestidinho e saio à rua com os estarolas e apercebo-me que passei dum estado de espírito "I hate this place" para um estado de espírito "I love my life".
Que trauma pa, a sério. E ainda a malta diz que o clima é irrelevante e que gostam de inverno e não se importavam de viver na Holanda.
A sério malta, emigrem e mudem de País pra melhorar a vossa vida se é o que desejam, mas em momento algum negligenciem a importância do Verão e do céu azul que nos cobre neste País à beira mar plantado.



terça-feira, Agosto 12, 2014

Forge meaning. Build identity.

Isto é tão absorvente, tem tanto em que pensar, que explorar, que só perde quem não vir esta conferência do Ted do Andrew Solomon:

Pode parecer ridículo

mas eu estou mesmo triste com a morte do Robbin Williams.
Sempre foi um dos meus actores favoritos, e sempre tive a impressão que era um tipo impecável, boa pessoa mesmo. Não que alguma vez tivesse tido o privilégio de o conhecer pessoalmente, mas sempre que vi entrevistas dele, fiquei com a sensação que era aquilo que denominamos por "um gajo porreiro".
Além do Clube dos Poetas Mortos, lembro-me sempre do Good morning Vietname, do Peter Pan, e do Jumanji, Mrs Doubtfire, e um sem número de filmes de domingo à tarde que me ajudaram a ultrapassar horas difíceis com entretenimento puro.
O Senhor escolheu o suicídio, algo que me custa imenso entender.
O imenso desespero em que não devia estar para se asfixiar a si mesmo. Para deixar a mulher e os filhos, e querer desaparecer literalmente da face da terra.
Imagino a solidão imensa que se deva sentir e tenho uma pena infinita destas pessoas que chegam a este nível de sofrimento.
E tenho mesmo muitíssima pena que o Robbin Williams tenha ficado tão desesperado que tenha desistido do mundo dos vivos. Sinto acima de tudo pela família, que deve estar desolada, muito mais que qualquer fã dum remoto país distante como eu.
Que pena tão imensa que tenho dentro de mim.

Graça do Vinho - os meus spots recomendados em Lisboa

Amo ser turista em Lisboa, descobrir novos sítios e apaixonar-me por eles.
Ontem, enquanto mostrava a Graça a duas amigas Italianas, encontrei um spot giro à brava, chama-se A Graça do Vinho e fica na Calçada da Graça. 
Vendem queijos e vinho, e ginginha, e azulejos pintados à mão com poemas do Fernando Pessoa.
Era uma loja normal de bairro que foi completamente restaurada para parecer um sítio antigo, destes que tínhamos a sorte de encontrar a cada esquina e que hoje escasseiam. Gostei muito e recomendo vivamente.
Ah Lisboa, como te quiero!








Depois descemos e passamos numa das minhas esplanadas favoritas, o Café Portas do Sol, em Cerca Moura (ou Largo Portas do Sol):




Só não se deslumbra com Lisboa quem não a conhece.

Depois de jantarmos no Teatro Taborda, fomos até à esplanada da Graça tomar café e deixei as Italianas KO.
Apercebo-me de tal quando a Barbara me pergunta: achas que posso trabalhar como advogada em Portugal?



A Angélica e a Barbara são duas amigas Italianas que me vieram visitar esta semana e que recebi com todo o carinho.
Há 15 anos que não via a Angélica, desde que fizemos Erasmus juntas.
A solidez de uma amizade de Erasmus...não há quem a bata! É como se tivesse sido ontem!



Obrigada pela visita miúdas, é um prazer ter-vos por cá!

O novo spot do Bitoque

As outras não ligam nenhuma, mas ele adora a rede brasileira. Achei uma delícia :)




quinta-feira, Agosto 07, 2014

Ensinaste-me a dançar

Faz dia 15 de Setembro um ano que fiz 6 horas de comboio depois do casamento do meu melhor amigo para poder passar umas horas com o meu primo Né e a minha família mais próxima.
Foi uma viagem longa, mas consciente de que o tempo se escorre por entre os dedos e poderia ser a última vez que o via.
O Néné estava doente, com essa puta dessa doença maldita que ceifa sem dó nem piedade, e estava cansado de tratamentos e viagens constantes, acima de tudo desolado por já não poder dançar. E eu fiz questão de dar o litro pra poder dar-lhe um abraço e um beijinho, mandar três larachas pro ar e fazê-lo rir só um bocadinho. E valeu a pena, foi um dia inesquecível, éramos 25 pessoas e 5 cães, pequenos e graúdos, apertados numa foto que trago no coração.
O meu primo por afinidade, mais Tio que outros Tios de sangue, que nunca quis mais que gozar a vida em pleno, que dançava passo doble como ninguém, que adormecia em qualquer lado, até na casa de banho, que tinha uma vinha e dezenas de cães de caça bem tratados, que gostava de verbenas, bailes e festa, anfitrião do cabrito da Senhora das Dores, Marido da Pija, Pai do meu primo Jorge e da minha prima Mané, Avô do Tójó, do Dinis e do Francisco, que nos ensinou a todos a dançar quando miúdos pra podermos sacar namorado e namorada como Dios manda. Que me ensinou a conduzir também e a respeitar sempre o meu Padrinho.
Na casa do Néné e da Pija não havia tristeza, havia alegria, música e patuscadas, uma merendinha sempre pronta e gente muito distraída e boa. Na casa do Né e da Pija nós podíamos chegar às 3 da manhã e encontrar a casa vazia porque eles estavam na rua a aproveitar o verão com os amigos, sentados no café entre gargalhadas e anedotas. Mas não fazia falta a casa estar cheia, porque nós estaríamos com eles cá fora, a aprender a viver e a aproveitar cada minuto.
Hoje o Né já não está entre nós, mas sabe e tem a certeza que nos marcou a cada um de nós, a cada sobrinho e filho e neto, inegavelmente, com a sua vida e alegria.
Vou ter muitas saudades tuas meu primo.
Obrigada pela tua presença na minha vida.
Obrigada por me ensinares a dançar o baile da vida.



quarta-feira, Agosto 06, 2014

Não há cá promessas vãs!

Manicure bi-semanal - CHECK
Pedicure mensal - CHECK
Sobrancelhas mensal - CHECK
Cara pálida com ar de lula gone - CHECK

Portugal je t'aime!


segunda-feira, Agosto 04, 2014

PAPAI - I love Porta dos Fundos







"Criança é tudo de bom! Como não amar aquela cara de joelho amassado, o nariz escorrendo, fralda cagada, o choro mais alto que um Boeing decolando, a perda de sua liberdade pelos próximos dezoito anos, o estresse ceifando cinco anos da sua vida e a perda gradual da sua sanidade? Mal posso esperar a hora de ter o meu! "

Happy lights

Vi umas luzes específicas pra se por nos quartos, dizem que ajudam os nórdicos a combater os winter blues.
Eu achei-as lindas de morrer e quando as encontrei à venda em Delft, com ou sem winter blues agora em Lisboa, comprei umas e pu-las na cama.
Estou deliciada! 
O site é www.happylights.be

São ou não são lindas?




sexta-feira, Agosto 01, 2014

A chatice de viajar em Agosto é

a quantidade de bimbos que está "de volta à terra".
Ele são os gritos às crianças, a música xunga a tocar em altos berros nos phones enfiados nas putas das orelhas pra toda a população do avião ouvir, e não vamos comentar os "outefites" no último grito da moda, tudo muito cheio de blings e bonés de pala conjugados com ténis pata de elefante.
Não sei se aguento.

terça-feira, Julho 29, 2014

Estou há dois dias em Amesterdão...

...e estou cheia de saudades das minhas bolas de pêlo.

Obrigada à fotógrafa que me ofereceu esta foto da minha princesa Petzi.


E ontem quase venho pro escritório a nado, o edifício do escritório inundou no rés-do-chão e houve gente a fazer da rua uma piscina e a boiar em colchões de ar.

À tarde o sol brilhou como se não se tivesse derramado todo em lágrimas durante 12 horas seguidas. E eu aproveitei pra perder o autocarro e suar que nem uma parva dentro das roupas quentes escolhidas durante o dilúvio da manhã. Apanhei o seguinte, só foi uma hora de espera, não há stress.

E é isto. Ando a contar os dias pra voltar a Lisboa para as 500 mil cenas que tenho pra fazer debaixo do sol, como o Out Jazz, conhecer os novos spots no Intendente e o Mercado da Ribeira, fazer parte dum grupo de leitura (finalmente!), correr pra meia maratona do Banif com a Fernandes, levar os meus cães pra um curso de obediência pra ver se faço deles estrelas da TV, ou então vá, que aprendam a ir buscar-me um café logo de manhã, coisas assim, coisas que me apetecem fazer, na minha língua, no meu País, com as minhas pessoas.

Acho que a frase é: Holanda, perdoa-me, enjoei de ti. Estou, sou, sempre fui, apaixonada por Lisboa.

terça-feira, Julho 22, 2014

Ser-se feliz com pequenas coisas é muito fácil

Adoro fazer compras no comércio tradicional, a ajuda experiente das drogarias e das lojas de ferragens, da sapataria, da loja de roupa, da engomadoria, da mercearia e da padaria.
Amo andar sob o sol de Lisboa de loja em loja, entrar no talho, e depois numa loja de queijos e de vinhos e aviar o jantar com que mimo os amigos.
Deliro com as piadas, as conversas de bairro, as coscuvilhices das velhotas e as festas aos meus cães nos mercados de rua.
Fico extasiada quando reparo que estacionei o carro no domingo à porta no domingo e não tive mais necessidade de lhe pegar até sexta à tarde.
Tenho a sorte incrível de viver num dos melhores bairros de Lisboa, com uma qualidade de vida inacreditável e uma segurança que desconhecia.
Conheço os meus vizinhos todos, a senhora da farmácia e a moça do cabeleireiro que tem um yorkshire, a dona da loja de antiguidades que tem um retriever chamado Baltazar e o senhor Pedro do bar de gin e o senhor António da loja de francesinhas e o senhor Sebastião do Indiano.
Sou a gaja com mais sorte do mundo, pa!

domingo, Julho 20, 2014

O meu delicioso sábado

Acordei cedo e fui ao IKEA buscar os parafusos do sofá.
(Já habemus sala de jantar também!)



 Montei o filha da mãe, arrumei mais umas caixas e fiz um bacalhau à gomes sá.
O mano veio almoçar e acompanhou-me ao bairro das estacas pra uma sessão de teatro ao ar livre - celebrações do Teatro Maria Matos - ver na página deles, oh fais favô.
Pois foi mesmo muito giro e estava carregado de gente gira pucanina que quis brincar com os meus 3 estarolas (sim, que eles também foram! E portaram-se lindamente!) e que esteve muito animada a ver o Afonso e a Catarina na sua máquina do tempo.


E acabado o teatro fui tratar de mim como prometido e entreguei-me nas mãos da manicura e da pedicure.
A seguir fui ter a casa da minha Martinha e seu gaijo, onde passei o serão com duas cachopitas, uma de 6 e outra de 2, as coisas mai lindas de tódó universo! 
E dançamos, todos juntos e foi ... família no seu melhor. 
Amanhã vou acabar de arrumar a tralha.
E depois posto fotos como deve ser.
Tou morta, mas foi um dia maravilhoso e perfeito como poucos.
Boa noite :)

quinta-feira, Julho 17, 2014

E antes que me esqueça, apenas um apontamento, como diz a outra

Optimus Alive:

- Três dias de festival é muito, pro ano vou só um dia e vou ter de escolher muito bem antes de ir. Fiquei toda podre logo no primeiro dia, e se no segundo me arrastei, no terceiro estava a ver que saía de lá de maca.

- Cerveja Heineken é uma merda, sabe a mijo, não presta, não é nacional, e estou farta dela até aos olhos. Pra mais a única alternativa era Sagres Radler, preta (quase inexistente), ou sem alcool. Nem uma porcaria duma torneirinha da Sagres, pá! E o vinho era Casal Garcia.... esqueçam, esqueçam, andei completamente sóbria três dias que me fez muito bem.

- Porque acham que as garrafas de água com tampa podem ser projécteis, só vendem garrafas de água pequenas de 25 cl e SEM tampa! Passei-me. Quem é que manda um penalti de 25 cl de água? E se eu quiser aplaudir um concerto, como é que eu faço?! Com uma mão na garrafa aberta e outra a bater na cachola? Palhaços.

- O palco dois dá dez a zero ao palco um. Mas quem é que se lembra de por a porcaria da tenda dos martelos mesmo ao lado? Havia concertos que se ouvia o tungs tungs tungs ao lado. Não se faz senhores da organização, não se faz. Tststststs.

- A quantidade de crianças com menos de 18 anos deu-me cabo do sistema nervoso. Não só me senti velha, como tive espasmos de dor quando vi miúdas de 13 anos maquilhadas, a fumar, e em histeria. Também os vi muito comportadinhos, todas de mochila às costas, com cartazes cheios de I love yous, e muitos telemóveis, e muito nariz empinado, e muito... iguais? Sim, todos muito iguais a fazerem um esforço imenso por serem diferentes.
Mas não é isso ser-se adolescente?

- As miúdas de hoje em dia têm pernas até ao cú, estas crianças de hoje são altas pra cacete e têm pernas que nunca mais acabam! E lindas, todas muito bonitas. Que inveja meu!
E os miúdos de 20 anos de barba, pareciam ter quase 30, foi difícil... foi difícil... não me sair um "este gajo é podre" quando os vi, era preciso quase uma lupa pra garantir que não me estava a envergonhar.

- O palco comédia é muito fixe, vi o Salvador Martinha e o António Pedro Borges e gostei. Acima de tudo eu gosto quando eles ficam sem texto e começam apenas a dizer o que pensam, sem terem as piadas feitas. Eu sei que não é possível estar sempre a improvisar, mas é de longe o melhor momento de qualquer um deles. Também gostei muito do ambiente do palco comédia, era bem giro e relaxado.

- Os melhores concertos e músicos: Parov Stelar, Elbow, Sam Smith (muito bom mesmo) Imagine Dragons, Foster the People, Temples, Daughters (excelentes), Au revoir Simone e a surpresa do último dia, Chet Falker num fabuloso one man show, o homem toca, canta, põe música, dança, fala com o público, é duma simpatia a toda a prova, foi cinco estrelas.


E pronto, este fim de semana é o Super Bock Super Rock mas eu estou "atestada" pro verão e agora quero é Out Jazz Festival nos jardins de Lisboa.
Até pro ano Optimus, foi giro. Vê lá se pro ano em vez de seres NOS Alive, passas a Sagres Alive, ia curtir muito mais milhões! (isto já não se diz, certo crianças? Tão ultrapassada que está a tia Sofia, tstststs)



Tenho o cérebro feito em......

fanicos :)
Tenho andado ausente, não por falta de assunto, mas por falta óbvia de tempo.
Estou a fechar um projecto que me tomou os últimos 9 meses, e se tudo correr bem, hoje "fecho a loja" e vou tirar um dia pra me recompor de 14 horas de trabalho consecutivas diárias na última semana. Tenho o cérebro feito em ... caca, vá.
Mas apesar do cansaço, não podia estar mais satisfeita com a minha vida actual, e continuo em altas e a transbordar de felicidade por todos os poros da minha pessoa.

Primeiro porque a minha casa parece o metro em hora de ponta, que é uma coisa que me apraz enormemente, é raro o dia em que janto sozinha, acho que desde que cheguei isso deve ter acontecido umas 3 ou 4 vezes. A casa fica no centro da cidade e é muito perto do trabalho de imensos amigos meus, e reforcemos que são os meus melhores amigos há muitos anos. Há sempre alguém que passa à porta e que sabe que eu cá vivo e decide tocar à campainha pra me desafiar pra uns caracóis ao fim dia, ou pra me dar um beijinho, ou pra almoçar, ou pra ajudar, ou pura e simplesmente porque passou e decidiu dar duas de treta.
E às vezes vêm mais que um, e somos 8 e vamos jantar ao tasco no fundo da rua enquanto vemos a bola e mandamos um caneco abaixo. Pra mim estes momentos são o sinónimo de felicidade em estado puro, nada me deixa mais feliz que receber pessoas em casa e sentir que as pessoas se sentem bem dentro destas 4 paredes.

Segundo porque finalmente a minha mobília chegou neste domingo, e por isso já consigo sentar mais de duas pessoas à mesa! E voltei a ter televisão e sofá, e por isso agora já posso ver coisas como esta maravilha da natureza que foi ver um gajo com cara de papalvo a fazer um barbacue dentro de um Chevrolet antigo no Travel channel e ter assuntos, sei lá, pra falar com as pessoas, escrever no blog, coisas master, certo?
Agora só me falta arrumar as coisas e montar os móveis, que a minha casa parece um armazém, mas tudo se resolve, é só ter um tempinho....tipo hoje?

Terceiro, porque o puto do projecto está finalmente acabado e os meus chefes deram-me finalmente a oportunidade de fazer algo que é da minha vontade e que há uns 3 anos que desejo por em prática, e acho que vai ser um processo de aprendizagem extraordinário, tudo feito remotamente, debaixo do sol de Lisboa e do calorzinho que se expande na minha varanda.

Quarto, já conheço os vizinhos todos, os senhores dos cafés e das lojas aqui ao pé, já toda a gente sabe quem é o Bitoque (é o maior e o mais gordo, por isso distinguem-no, além disso toda a gente adora o nome) e os meus bonecos são mimados por toda a gente que passa por eles na rua, até quando estou a malhar caracóis na esplanada. E eu já conheço o senhor Sebastião, o Senhor João, a Dona Otília e a Dona Fátima, e já sei onde é que há o melhor frango no churrasco e o melhor café, e sinto-me......como nunca me senti na Holanda..... sinto-me EM CASA.

Agora vou ali montar um sofá e uma mesa e já venho, sim? Quando tiver pronto eu faço outro "Querido mudei a casa" :)




quarta-feira, Julho 16, 2014

Temples, Imagine Dragons, Elbow e Parov Stelar

Que se lixe o palco principal, o palco secundário é que é!
Gostei de Temples
Adorei Elbow
Apaixonei-me por Parov Stelar
O que eu curti ao som destes últimos, o que eu dancei, foi espectacular!!
Desta vez fui contra o meu princípio de fotos e videos em concertos e filmei um bocadinho pra por no blog pra poder ouvir depois mais tarde.
Espero que gostem, hoje há mais, mas hoje levo o carro fonix, que ontem vim a pé do Optimus até ao CCB e hoje tou que nem posso!

Entrada




O palco Heineken (palco 2)



O palco comédia

O melhor da noite, sem dúvida: Parov Stelar



Parov Stelar



Elbow



Elbow






Imagine Dragons



Imagine Dragons

quarta-feira, Julho 09, 2014

COISA NOSSA - I LOVE PORTA DOS FUNDOS

SUBORNO - I LOVE PORTA DOS FUNDOS

Eu sei que foi muito mau...


Sete a um é algo que não se faz nuns quartos de final. A Alemanha devia ter parado de marcar aos 4 golos como sinal de respeito pelo povo que os recebeu pra Copa do Mundo. Foi mesmo muito doloroso ver aquele jogo até ao fim.
Mas há que rir com os Brasileiros e o sentido de humor deles é genial! Em segundos circulavam estas imagens e outras, e eu, confesso, que chorei a rir com a do Hitler a jogar playstation.
Lamento mesmo muito Brasil, como diziam os meus amigos Brasileiros: "sem escola, sem hospitais e agora sem futebol". Ninguém merece.